quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Sozinha

Ultimamente tenho me sentido abandonada, sozinha, largada.
Nada de concreto apenas emocional. Me sinto sozinha pelo fato de não ter outra pessoa ao meu lado que eu confie além do meu pai. Queria uma pessoa que possa me enteder em tudo, uma pessoa que me abrace, que ouça as musicas que eu ouço e que me beije quando eu sinta saudades do seu beijo. Que seja sincera e que seja um tanto quanto maluca. Que tenha um cabelo diferente ou que não tenha cabelos, que seje loiro, moreno ou negro, que goste de romance, darma e uma boa comédia. Que queira estar ao meu lado, que isso seja verdadeiro, que os olhos dele quando se encoram com os meus brilhem e que tudo isso se resuma em amor, um amor platônico, que veio sem falar, sem pedir licença, que veio como um furação, que tome conta do lugar onde meu pequeno e indefeso coração pulsa e que fique, que fique lá por um bom tempo, um tempo em que tudo isso que acabei de descrever acontece diariamente, e que nossos rissos cantem melodicamente o som da felicidades, e se um dia isso acabar que essa pessoa não se vá, que ela fica nem que seja por um pouco, para um despedida horanda.
Se ela for, pesso aos deuses que me tragam outra que faça meu pequeno e indefeso coração pulsar sem limites outra vez.

4 comentários:

  1. Isso não é fácil, não há em qualquer esquina.
    Você poderia sair por ai buscando, ou esperar para ver se surge; caso consiga, é torcer para que "seja infinito enquanto dure".

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. "vamos fazer um ranchinho todo feito de sapé"

    ResponderExcluir